Informativo da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição – 15 a 19 de janeiro

18/01/2018 11:28

Notícia de Capa: Opine sobre a regulação de suplementos alimentares

A Anvisa está propondo um novo marco regulatório para suplementos alimentares. O primeiro passo foi definir esta categoria de produtos, que apesar de ser amplamente reconhecida pelo consumidor e ser adotada em outros países, não está prevista na legislação sanitária brasileira.

A definição proposta considera suplementos alimentares todos os produtos de ingestão oral, apresentado em formas farmacêuticas, destinados a suplementar a alimentação de indivíduos saudáveis com nutrientes, substâncias bioativas, enzimas ou probióticos, isolados ou combinados. (…)

 Para saber mais sobre essa matéria e acessar as demais notícias relacionadas à agenda de alimentação e nutrição no SUS:

– Baixe a Segundeira da CGAN desta semana no link: http://ecos-redenutri.bvs.br/tiki-download_file.php?fileId=1765; ou

– Acesse o Blog da CGAN da RedeNutri (http://ecos-redenutri.bvs.br/tiki-view_articles.php).

 Nesta edição:

•     Opine sobre a regulação de suplementos alimentares

•     A hora é agora! Aproveite o começo do ano para construir hábitos saudáveis

•     Atividades físicas em grupo geram mais motivação para uma vida mais ativa

•     De olho na evidência: Refrigerantes liberam mais hormônio da fome, confirma estudo

•     Espaço dos estados

•     Implementando o Guia: Dicas simples de alimentação para seguir em 2018 e ser mais saudável

•     Monitoramento Semanal de Programas Estratégicos da CGAN

•     Saiu na mídia

Segundeira da CGAN é o informativo semanal da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, na qual são apresentadas as principais notícias da semana, agendas previstas da Coordenação, além de trazer atualizações sobre evidências científicas, textos de apoio para a implementação das recomendações do Guia Alimentar para a População Brasileira e atividades realizadas nos municípios e estados relacionados à agenda de alimentação e nutrição no SUS e monitoramento de alguns programas.

Fonte: Rede Nutri

Método questionável admitido em público

18/01/2018 11:10

Nutricionista que fazia recomendações de alimentação saudável para os EUA tem artigos retratados por erros e negligência

Imagem: Walter Rego

A revista Frontiers on Psychology anunciou em novembro a retratação de um artigo publicado em 2016 pelo especialista em comportamento e nutriçao Brian Wansink, pesquisador da Universidade Cornell, nos Estados Unidos. O estudo em questão utilizou dados sobre os hábitos de 355 veteranos da Segunda Guerra Mundial e concluiu que experiências traumáticas podem interferir no modo como os indivíduos compram alimentos: os ex-combatentes que vivenciaram situações muito violentas exibiam menor fidelidade a marcas, enquanto as vítimas de traumas leves seriam mais influenciáveis por propaganda. Depois de receber denúncia sobre possíveis vieses no estudo, a revista reanalisou os dados brutos da pesquisa e concluiu que “não há base empírica para as conclusões do artigo”, segundo a nota de retratação.

(mais…)

DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde publica nova edição

18/01/2018 10:50

Cabeçalho da página

A revista DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde acaba de publicar seu último número.

Periódico científico interdisciplinar de acesso aberto que tem por missão publicar debates, análises e resultados de investigações relevantes para o campo da Alimentação, Nutrição e Saúde publicado pelo Instituto de Nutrição da UERJ. Recebemos originais em português, espanhol ou inglês provenientes dos campos da Saúde, Humanidades e outros que abordem temas relativos a comida, alimento ou nutriente.

Disponível em http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/demetra

Processo Seletivo Mestrado e Doutorado PPGN/UFSC 2018

22/12/2017 11:17

O Programa de Pós-Graduação em Nutrição lança edital de seleção para novos alunos de mestrado e doutorado, que queiram ingressar no ano de 2018.

As inscrições no processo seletivo do PPGN de Mestrado e Doutorado ocorrerão apenas entre os dias 19 de fevereiro e 16 de março de 2018.

Acesse o link a seguir (Clique aqui) para acessar o edital de seleção do PPGN e o formulário de inscrição.

Seleção PPGN para Edital PDSE/CAPES 2018

22/12/2017 10:44

O Programa de Pós-Graduação em Nutrição lança edital de seleção interna para seus doutorandos que queiram realizar doutorado sanduíche no exterior no ano de 2018, conforme edital lançado pela CAPES.

As inscrições para seleção pelo PPGN ocorrerão entre os dias 21 de dezembro de 2017 e 05 de fevereiro de 2018.

Acesse o link a seguir (Clique aqui) para acessar o edital de seleção do PPGN e o formulário de inscrição.

 

Nota Abrasco – “Contra a censura e intimidação de pesquisadores e pelo direito de se produzir ciência em defesa da vida”

21/12/2017 10:13

Nota Abrasco ‘Contra a censura e intimidação de pesquisadores e pelo direito de se produzir ciência em defesa da vida’ 

 

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva vem a público manifestar seu repúdio à interpelação judicial demandada pela Federação da Agricultura do Estado do Ceará – FAEC, contra Fernando Ferreira Carneiro, pesquisador da Fiocruz e membro do Grupo Temático de Saúde e Ambiente da Abrasco, por ter divulgado dados do SUS sobre a classificação do Ceará na comercialização de agrotóxicos entre os estados brasileiros.

O uso de agrotóxicos é um problema de alta relevância para a saúde pública, a ciência e para a defesa da vida no Brasil, país com um dos maiores mercados consumidores de agrotóxicos do mundo [1]. A Abrasco tem desenvolvido diversas iniciativas para trazer ao conhecimento da população os impactos decorrentes do aumento do uso de agrotóxicos no Brasil. A publicação “Dossiê Abrasco: um alerta sobre os impactos dos Agrotóxicos na Saúde” é o maior exemplo desse esforço coletivo dos pesquisadores de nossa entidade, juntamente com representantes de movimentos sociais e outras instituições de ensino e pesquisa, como a Fundação Oswaldo Cruz – Fiocruz.

(mais…)

Boletim Caisan – 29/11/2017 – MDS promoverá encontro com gestores de bancos de alimentos

05/12/2017 10:59
MDS promoverá encontro com gestores de bancos de alimentos
Encontro será realizado em Brasília nos dias 30 deste mês e 1º de dezembro com o objetivo de colaborar para a discussão e compartilhamento de experiências de gestão 

Foto: Clarice Castro/MDS

Caisan aprova estratégia para a redução de perdas e desperdício de alimentos 

Com a aprovação do documento, será formado um comitê gestor para mensurar e monitorar as metas

Fotos: Clarice Castro/MDS

MDS apresenta oportunidades de negócios para agricultores familiares 

Compra Institucional do PAA está entre os destaques do Fomenta Nacional, evento promovido pelo Sebrae

Foto: Clarice Castro/MDS

Oficina em Brasília discute ausência de oferta de alimentos saudáveis no país 

Encontro reúne pesquisadores para desenvolver metodologia que permita mapear os desertos alimentares. Objetivo é aprimorar políticas públicas

Foto: Ana Nascimento/MDS

V Conferência de Segurança Alimentar e Nutricional +2 é realizada em São Luís 

Sedes e Consea-MA buscam discutir sobre as ações de Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) que vêm sendo executadas em todo o estado do Maranhão 

Fonte: CAISAN

Editora da UFSC relança o ‘homo academicus’ de Pierre Bourdieu

05/12/2017 10:55

‘Um livro para queimar’? é o capítulo número um de “homo academicus”, livro que chega agora como uma das últimas novidades da Editora da UFSC e mostra a ousadia acadêmica de seu autor, Pierre Bourdieu.

Parte da ideia inicial de que analisar cientificamente o mundo universitário significa eleger como objeto uma instituição que é socialmente reconhecida, que goza de toda legitimidade graças ao seu caráter nacional, que é vista como “mágica” e que se pretende objetiva e universal. Na obra, Bourdieu revela conflitos, contradições, crises, desilusões, interesses, relações de força, hierarquia de prestígios, ruptura de equilíbrios.

Ao compreender o mundo universitário francês como um campo no qual se confrontam múltiplos poderes que correspondem às trajetórias sociais e escolares e também às produções culturais dos seus agentes, ele demonstra que a produção científica está longe de ser o resultado de uma forma de meritocracia que consagra os talentos individuais.

A originalidade de sua tese, observa a professora Ione Ribeiro Valle, professora da UFSC e coordenadora do Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/CNPq), está em mostrar que as tomadas de posição dos intelectuais ou as políticas educacionais, tanto nos períodos de equilíbrio quanto em tempos de crise, são determinadas pelos mecanismos de reprodução de privilégios herdados. ”Bourdieu produz uma sociologia crítica que procura compreender as relações entre cultura, ciência, escola, mídia e reprodução social”.

Pierre Félix Bourdieu(1930-2002) vem da École Normale Supérieur de Paris e dedica sua vida acadêmica desenvolvendo um trabalho científico de fôlego, regular, cotidiano, sistemático, persistente, sólido, polêmico. É dono de um estilo hermético, linguagem austera, marcas do filósofo, presentes em obras como A ontologia política de Martin Heidegger, de 1988, e Meditações pascalianas, de 1997).

Para compreender homo academicus, avisa Ione Valle, é preciso lê-lo como marco de uma ruptura radical com os pressupostos tácitos do universo acadêmico no qual as dissensões aparentes mascaram o consenso profundo. É preciso lê-lo imaginando que a escola e a universidade são capazes de distribuir de maneira ampla e plena as aquisições científicas e culturais acumuladas e que o impossível possível, ao mesmo tempo rejeitado e reivindicado, pode prometer – e promover – um futuro para “crianças e povos sem futuro”.

Mais informações em editora.ufsc.br ou facebook.com/editora.ufsc.

 

Home academicus

Pierre Bourdieu

Editora da UFSC

310 páginas

2017 – 310 páginas – 2ª edição

Preço R$ 42,00

A pequena produção mantém a biodiversidade e ajuda a população socialmente”, afirma Carlo Petrini, criador do movimento Slow Food

12/11/2017 22:42

A gastronomia vai além dos sabores. Em passagem por Florianópolis, o jornalista e sociólogo italiano Carlo Petrini, fundador do movimento internacional Slow Food, defende que alimentar-se vai muito além da saciedade ou do prazer de comer. É um ato político. Escolher o que se come, conhecer a origem dos alimentos e a forma como chegaram à mesa é também uma forma de incentivar pequenos produtores e a fomentar a economia e a tradição de uma região.

Petrini palestrou na tarde desta terça-feira no auditório do Centro Socioeconômico da UFSC. Ele também participará do Seminário Alimentação Agricultura e Mudanças Climáticas, que ocorrerá na Assembleia Legislativa, às 13h30min, desta quarta-feira, dia 8 de novembro. No evento, o sociólogo falará sobre A Agricultura é causa é vítima ao mesmo tempo das mudanças climáticas. Caminhos, perspectivas e ferramentas.

Petrini criou a filosofia Slow Food em 1986. O conceito principal é que a forma como nos alimentamos “tem profunda influência no que nos rodeia — na paisagem, na biodiversidade da terra e nas suas tradições”. Para ele, produtos artesanais, produzidos em pequena escala, geram menos impacto ambiental e social do que os industrializados. Outra defesa do slow food consiste no fato de dedicar um tempo para as refeições, tornando a alimentação um processo de degustação, o que melhora a qualidade de vida.

Em uma conversa momentos antes da palestra na UFSC, Petrini falou em um portunhol bastante fácil de compreender. É a primeira vez que está em Florianópolis e disse que gostou muito da cidade. Já conheceu alguns dos produtos locais e mostrou um exemplar do livro A Arca do Gosto no Brasil –  Alimentos, Conhecimentos e Histórias do Patrimônio Gastronômico, no qual estão listados 200alimentos brasileiros que correm risco de extinção. Petrini garante que é possível comer bem com produtos locais e mantendo as tradições gastronômicas de cada região.

Pesca artesanal em Santa Catarina – Foto Lucas Correia, Agência RBS

O senhor conhece a gastronomia catarinense?
É a primeira vez que venho a Santa Catarina. Já conhecia o Rio Grande do Sul. Conheci algumas especialidades pesqueiras e comunidades de pescadores que trabalham pela defesa da pesca artesanal. Também de produtos que são originários do trabalho dos imigrantes como queijos artesanais muito bons. Experimentei os queijos diamante e o colonial ontem (segunda-feira) que são produzidos aqui.

Como está acontecendo a evolução do movimento Slow Food?
Há uma grande batalha em nível econômico e produtivo contra a agroindústria e a pequena produção. A pequena produção mantém a biodiversidade e ajuda a população socialmente, pois ela tem uma comida preciosa, um patrimônio gastronômico muito forte. A agroindústria estuda uma maneira de vender produtos massivos que não são bons para a saúde e nem para a economia. Trabalha a concentração de poder em poucas mãos de toda a política alimentar. Essa batalha começou há muito tempo. Também acontece que há países que a legislação não é favorável a pequenos produtores, é muito mais favorável à agroindústria.É importante defender o direito dos pequenos e do meio ambiente, cuja legislação é muito trágica. Há muita química no solo que acabam nos alimentos que comemos todos os dias e há muita perda de biodiversidade.

O senhor tem acompanhado as mudanças na legislação brasileira em relação ao agronegócio?
É muito difícil mudar a legislação porque o agronegócio investiu no último ano 58 milhões de dólares em política e os pequenos produtores não têm dinheiro para investir nisso. Esse é o verdadeiro problema. Uma multinacional trabalha pela venda de comida massificada que provoca obesidade e diabete do tipo 2. Algumas vezes quando se fala de gastronomia se fala muito do sabor e não se reflete que o verdadeiro problema é a saúde. Não se vê que nos últimos 10 anos a obesidade aumentou em 100% no Brasil também para as crianças.

E por que é difícil difundir o hábito de comer produtos da agricultura sustentável?
A comida boa da agricultura sustentável não tem perspectiva porque não existe muita venda direta, há muitos intermediários que realizam especulações. Espero aqui (na palestra da UFSC) falar com os jovens, que são o futuro. Se o jovem não compreende isso é um verdadeiro desastre. Em qualquer parte do mundo teremos problema de urbanização(ocupação urbana desordenada), muita gente abandona o campo para trabalhar na cidade causando problemas sociais muito difíceis. O jovem não vai viver no campo se não se paga de forma justa, se não tem internet ou uma forma de socializar, sem qualidade de vida. Este é um problema social. Inverter o movimento de urbanização, que é um excesso de pessoas no meio urbano.

Como as pessoas podem ajudar a reverter o problema do consumo de produtos ultraprocessados?
Implantar um sistema de venda direta entre camponeses e cidadãos e comunidades de suporte, e preferir comidas de pequenos produtores. Esta pode ser a força verdadeira de uma multitude (agrupamento) de cidadãos. Não quero falar de consumidores, pois esta é uma palavra da Revolução Industrial. É preciso formar co-produtores, que compram produtos diretamente, ajudam o pequeno produtor e realizam uma verdadeira aliança entre cidadãos e produtos. Se essa aliança se realiza há uma troca socioeconômica muito importante.

Fonte:Revista versar